Todos os posts em Entrevistas


Por Kelsea Stahler (12 de abril de 2019)

Josephine Langford não é a próxima Bella Swan, mas ela está pronta para tudo depois de After. A atriz australiana vai estrear na adaptação cinematográfica de uma fanfiction que virou fenômeno, e ela está curiosamente calma sobre tudo que vem com isso.

Josephine Langford está trancada para fora do seu quarto do hotel. A atriz acaba de encerrar três dias cheios de entrevistas, aparições na TV e a premiere de seu novo filme, After. Finalmente chegou a noite e ela esteve de saltos o dia todo. Agora teria sido um ótimo momento para relaxar e descontrair. Se ela está cansada ou estressada por ficar trancada, ela não deixa transparecer isso por telefone. Em vez disso, ela me diz em um tom energético que ela acabou de sair de seus saltos e está preparada para sair no corredor do hotel, descalça, para “andar e conversar”.

After, que sai dia 12 de abril, é baseado na série de livros de mesmo nome que começou como uma fanfiction do One Direction no Wattpad (mesma comunidade de fanfiction que lançou outro romance adolescente – A Barraca do Beijo). A versão original de After, que acumulou 542 milhões de visualizações até o momento, inclui um líder romântico chamado Harry Styles, e os amigos de Harry, Zayn, Liam, Louis e Niall. Mas quando a história explodiu e a autora Anna Todd, também conhecida como Imaginator1D no Wattpad, desembarcou em um contrato multimilionário com a Gallery Books, legalidades entraram em cena. O galante e inquietante britânico foi rebatizado de Hardin Scott (interpretado por Hero Fiennes-Tiffin no filme); Zayn tornou-se Zed Evans (Samuel Larsen).

Um segmento muito vocal do fandom de One Direction teve problemas com a representação de Styles como um idiota – uma fã particularmente zelosa começou uma petição na change.org nomeada “Não produza fanfiction glamourizada!” em protesto. Pelo lado positivo, existem milhares de fãs que passaram as semanas antes do lançamento de After tendo certeza que #Hessa (A hashtag do casal do filme, Hardin e Tessa) realmente se torne alguma coisa no Twitter.

E no meio do furacão aparece Langford para interpretar Tessa, nossa heroína e a pessoa que recebe a afeição de Hardin.”Quando eu fui escalada, Anna Todd e os produtores nos disseram que talvez fosse algo grande, por causa da fã base”, diz Langford à Refinery29. “Eu tive um ano para me preparar mentalmente para isso.” Ela já encontrou inebriados fãs pessoalmente; um até disse à Langford que ela era “mais Tessa do que Tessa”.

A atriz australiana nasceu e cresceu em Perth, mas desde que conseguiu um papel principal ao lado de Ryan Phillippe em Wish Upon (No Brasil 7 Desejos) em 2017, ela raramente está em um lugar por muito tempo.  No ano passado, ela diz que só esteve em casa por três dias, por isso decidiu se mudar para Los Angeles logo, apesar de dizer que Nova Iorque segue a mesma velocidade que ela.

Tem sido um ano intenso para a mulher de 20 anos, que viu sua irmã mais velha, a estrela de 13 Reasons Why (no Brasil Os 13 Porquês) Katherine Langford, virar uma estrela de um dia para o outro. Mas nada podia preparar a jovem Langford para a ferocidade com que os fãs de After se aproximaram dela na sessão de autógrafos em Madrid. “A multidão era insana. O carro estava balançando para frente e para trás; eles tiveram que montar uma barreira humana para chegarmos à livraria porque tinha tanta gente animada”, ela diz. 

Enquanto isso soa como um pesadelo claustrofóbico para a maioria das pessoas, Langford ri enquanto relata a experiência. “Foi engraçado. Eu não acho que algum de nós já tenha estado nessa situação antes.”

Langford parece curiosamente calma sobre tudo isso. Ela diz que não está preocupada que os fãs não gostem da versão dela de Tessa. “Eu não tentei, intencionalmente, trazer nada para ela ou mudá-la. Apenas retratei o que estava nos livros e estava confiante do que estava fazendo,” ela diz. A diretora Jenny Gage descreve Langford para mim como uma “feminista feroz” com um ponto fraco por piadas de pai. Era muito importante para a diretora que, como a atriz, Tessa se demonstrasse confiante e empoderada, e não o clichê de ‘boa menina’ (leia-se: ela é inteligente! Ela ama livros! Ela se veste conservadoramente, até em festas – que ela raramente vai! Ela não liga para meninos, eles que percebem sua presença!)

Na verdade, Tessa é a imagem de uma boa menina: ela usa um vestido antiquado relativamente antigo para sua primeira festa na faculdade – um evento que ela imediatamente tenta escapar. Na tela e no livro, Tessa é conhecida por sua inteligência (algo que sua mãe, interpretada por Selma Blair, não quer que ela desperdice); ela primeiro se aquece à Hardin quando encontra uma cópia desgastada de O Morro dos Ventos Uivantes em seu quarto. Mas Tessa também diz a Hardin quando ele está sendo insuportável; defende-se quando as coisas começam piorar em seu relacionamento posterior; e dita seus limites sexuais e quando ela está pronta para empurrá-los.

Esse último elemento, diz Langford, é o motivo pelo qual ela queria fazer o After. “Há algo sobre o despertar sexual das meninas e contar suas histórias pela primeira vez, que não têm espaço na mídia”, explica ela. Ainda não é um tema popular no cinema. Langford vê suas cenas de sexo com o pragmatismo. “No começo, nunca tendo feito aquelas cenas antes, eu estava pensando ‘será estranho?’” Mas não foi. “É tudo muito técnico e coreografado, então isso não foi um problema para mim. Eu estava surpreendentemente incrivelmente confortável fazendo isso”.

Isso mudou quando os paparazzis chegaram durante uma cena particular vulnerável que foi gravada ao ar livre, no lago, no qual Hardin toca Tessa pela primeira vez, mas fica aquém de qualquer coisa abaixo da cintura. “Temos tempo”, ele sussurra quando está claro que Tessa atingiu seu limite. É uma cena íntima e altamente erótica – não uma que seria melhorada pela presença de homens suados e distraídos com lentes de alta definição. “Você só tem que fazer”, diz Langford. “Mas obviamente, não foi 100% ideal”.

Realizar essa cena com os espreitadores é uma façanha, especialmente porque Langford é ferozmente discreta. “É importante ter privacidade e ter uma vida pessoal. Estou tentando ter limites”, diz ela. “Eu quero ser eu mesma e ser honesta, mas não preciso me sentir cem por cento desconfortável e exposta e contar ao mundo cada detalhe da minha vida.”

A atriz tem um Instagram público, com a marca azul e tudo, mas ela geralmente passa meses sem postar nada e diz que prefere comer sua comida do que postar fotos. “Meu cérebro tem tantas qualidades que não funcionam com mídias sociais. Eu penso demais, eu sou excessivamente privada, e esses dois traços de personalidade simplesmente não funcionam quando se trata do Instagram”, diz ela com uma risada. Outra preocupação importante: ela evita inspirar quaisquer narrativas indesejadas (e potencialmente falsas) sobre sua vida pessoal. Dedique alguns minutos para ler os (milhares de milhares) de comentários nas fotos do Instagram de Langford, e você encontrará fãs de todos os tipos de suposições pessoais.

“Ninguém que eu conheço [na vida real]já me perguntou por que eu sigo essa pessoa ou porque eu não a sigo, porque todo mundo sabe que não tem absolutamente nenhuma correlação com as pessoas que são importantes na minha vida”, diz ela. “Eu nem mesmo verifico meu feed [Instagram]. Não tem sentido, é o que estou tentando dizer.”

Quando as discussões dos fãs sobre o relacionamento de Langford com sua irmã Katherine aparecem, seu tom animado oscila um pouco, e o volume de sua voz diminui. “Eu não entendo a internet às vezes. Eu acho que os rumores são loucos”. Os rumores que ela está se referindo são de uma “briga” entre as irmãs Langford, que começaram a circular quando Katherine fez em maio de 2018 uma entrevista com a revista francesa L’Officiel, no qual ela falou que ninguém da família estava na indústria do entretenimento. A partir daí, fãs e fofoqueiros encontraram “evidências” no fato de que nenhuma das duas irmãs se seguem nas mídias sociais, e que elas não falam uma sobre a outra em entrevistas. Até mesmo o menor comentário sobre Katherine pode se tornar uma manchete inteira para Langford.

“Meu amigo me enviou um vídeo para o outro dia, e nós estávamos rindo disso, porque alguém tinha pego como uma coisinha que fiz em uma entrevista, percebeu que eu fiz a mesma coisa em vários videos e fez uma compilação”, Diz ela, possivelmente referindo-se a este clipe do YouTube em que o fã disseca e interpreta as palavras de Langford sobre Katherine em entrevistas. “Eu acho que quando você tem um conteúdo limitado de alguém, e eu definitivamente não estou ajudando, você apenas pega algumas partes do que você sabe sobre uma pessoa, e você a extrapola.”

Langford não vai contar a história da família, mas ela não fala sobre sua irmã com acrimônia velada. Ela brinca que, com a fama crescente, elas poderiam ser como Elle e Dakota Fanning, e que se as estrelas se alinharem para fazerem o mesmo projeto, ela estaria 100% a bordo. Ela especifica, no entanto, que sua carreira de atriz desenvolveu-se independentemente da de Katherine.

“Nós dois agimos por conta própria, completamente separadas, sem nada a ver com o outro. Nós dois crescemos nesta família, com pais que não eram particularmente criativos, e ambas estavam interessadas ​​em coisas criativas”.

Langford fez sua primeira atuação aos 14 anos, mas até sua grande chance no filme de terror de 2017 Wish Upon, (no Brasil 7 Desejos), ela não tinha agendado muitos shows que considerou significativos. “Eu estava em uma peça chamada Hood; Eu era um extra na Paixão de Cristo; Eu fiz vídeos corporativos, comerciais, pequenos curtas universitários. Apenas qualquer coisa que eu pudesse fazer parte”.

Agora sua carreira provavelmente vai passar por uma grande mudança. Se After tiver sucesso, Langford provavelmente terá pelo menos mais quatro filmes do que com as sequências Depois da VerdadeDepois do DesencontroDepois da Esperança e Before. De fato, uma representante do studio confirmou para Refinery29 que o estúdio já está em discussões com os diretores sobre as sequências. Imediatamente após essa tour de After, Langford diz que vai voltar à fazer audições – com algumas possibilidades no horizonte.

“Estou apenas tomando coisas dia a dia. Eu realmente não sei qual será a resposta ou a reação. É muito possível que o filme saia e eu volte ao anonimato”, diz ela. Se tudo correr bem, no entanto, Langford está com fome para desempenhar todos os papéis que conseguir, seja ficção científica, ação, comédia obscura (ela é uma grande fã de Ricky Gervais) ou outro romance. Se ela tivesse que escolher seu papel de sonho final, porém, seria algo sinistro. “Seria divertido interpretar um vilão tridimensional muito bom e complicado. Existem apenas alguns vilões, na minha opinião, na história do cinema que são realmente muito especiais; fazer um bom vilão é difícil”, diz ela. “Eu sou incrivelmente cínica e não acho que seja algo que as pessoas possam adivinhar. As pessoas acham que sou toda positiva, mas sou cética”.

Independente das mídias socials – ou que meu amigo poste uma foto minha, 100 pessoas repostem e saibamm exatamente onde estou – o trabalho não mudou minha rotina em nenhum modo,” ela diz, pausando como se tivesse uma lista em sua cabeça. “Eu nunca fui reconhecida…isso não afetará minha ida ao supermercado ou qualquer coisa.”

Mas esses limites podem desaparecer, e rápido. Se a precoce resposta em relação à After é uma indicação, Langford está na extremidade – mas ela, de novo, não parece estar preocupada. Em algum momento durante a nossa ligação, Langford voltou silenciosamente para o quarto, não mais tendo que andar descalça pelo hotel.”Eu não me preocupo com coisas maiores”, diz ela. “Deveria ser o contrário, mas não é.”

Tradução: Josephine Langford Brasil

Em nossa segunda entrevista em parceria com o Fangirlish, entrevistamos ninguém menos do que Anna Todd. Conversamos sobre as dificuldades em adaptar seu primeiro livro, seu envolvimento com a adaptação e expectativas da fanbase para o tão aguardado filme.

Anna, qual foi o maior desafio em ver seu livro se tornar um filme?

Anna Todd: O tempo. O relógio era o nosso maior inimigo. Os livros são tão grandes que foi um desafio colocar o primeiro em 1h e 45 minutos. E garantir que o foco ficasse em Tessa e Hardin. Existem personagens que eu amo muito, mas não tínhamos tempo de explora-los na história ainda. A história tem que girar em volta de Hardin e Tessa neste momento. Então, eu diria que esse foi o maior desafio.

O quão envolvida você esteve com o roteiro? Quais foram as cenas que você sabia que deveriam estar no filme? O que ficou de fora?

AT: Nós tínhamos meio que uma lista. Existiam cenas do livro que sabíamos que estariam diretamente no filme. Fomos colocando conforme fomos escrevendo. Os diálogos nós tentamos manter o mais próximo dos livros possível. Mas existe uma diferença na forma que alguém diz algo e como pensa algo, quando a sua imaginação não consegue inventar ou tirar nada. Existiam algumas falas muito românticas no livro que faladas em voz alta ficavam estranhas. Então, é mais isso mesmo.

Quanta pressão você colocou em fazer esse filme e influenciar a produção com o que realmente precisava estar nele?

AT: Eu diria que é mais uma responsabilidade do que pressão. Mesmo a parte da fanbase que não queria mudança alguma — sinto que eles ainda confiaram em mim. Eu ouvi muitos deles dizerem que não queriam mudanças, mas que confiavam em mim. Os fãs que viram antes em Portugal e Itália amaram o filme. Conforme mais pessoas vão vendo o filme eu vou ficando menos paranóica, acho. Tenho muito orgulho do filme que fizemos. Acredito que os leitores ainda vão gostar do filme mesmo com mudanças.

Uma das coisas mais legais em adaptações de livros para filmes não é apenas os fãs que irão vê-lo, mas também abre portas para uma nova audiência experienciar a história. Como você descreveria After a alguém que nunca leu o livro? Por quê deveria ir assistir?

AT: Eu diria que é uma história de primeiras vezes. Primeiro amor, primeira vez deixando o lar, primeira vez encontrando novos amigos e tentando se encaixar. Pode te lembrar de momentos da sua vida ou da ansiedade que você tem por esse momentos. Ou não, dependendo de algumas parte de After. É um romance que tem todas as partes clássicas e um clímax. Acho que fizemos algo que a maioria dos romances não fazem e não tentamos nos desvencilhar das falhas dos personagens e realmente abraçamos a intimidade. Fizemos de forma delicada.

Pode descrever a primeira vez que você colocou os pés no set e a primeira vez que você se deu conta de que estava acontecendo? Como foi?

AT: Acho que foi o primeiro dia em que entramos no escritório da pré-produção onde nós estávamos escolhendo as tatuagens do Hardin e foi estranho ter o Hero lá como uma pessoa real em forma de Hardin. Me acertou bem em cheio. Sinto que ainda não tive tempo de cair a ficha. Mas houve momentos em que eu ficava pensando, nossa, isso está realmente acontecendo. Hardin é uma pessoa real agora.

Como foi pra você quando viu Hero e Josephine juntos em uma cena? Como você se sentiu?

AT: Foi um alívio. Eles tem uma química incrível. Ambos são tão dedicados ao trabalho e apaixonados por atuar. Foi um alívio saber que eu poderia confiar nos dois com os meus personagens. Mesmo quando eu estava no set e tudo mais e Jenny foi ótima ao dirigir os dois , foi um alívio mesmo quando eu soube que eles se importavam com os personagens tanto quando eu e eu soube que eles não se esquivariam daquilo ou não se recusariam a se tornarem os personagens.

Você tem algum momento favorito com o elenco?

AT: Não consigo pensar em nada específico. Nós realmente sempre nos divertimos não importa o que estamos fazendo. Ontem nós tivemos um dia na piscina em minha casa e lavamos as roupas e ainda assim foi divertido. É realmente assim toda vez que estamos juntos, sempre nos divertimos. Tinha um restaurante do lado de fora o nosso hotel e nós basicamente apenas ficávamos lá sentados a ponto dos empregados do hotel já saberem exatamente o que nós queríamos beber e o que queríamos comer e nos divertimos muito.

Vocês tiverem em uma turnê recentemente, como foi ver os fãs com Josephine e Hero?

AT: Foi como se você pegasse os fãs que já estou acostumada e aumentasse o volume até as caixas de som estourarem. Foi muito divertido vê-los abraçá-los. Apenas fez o meu ano todo. Ir de país em país e ver alguns deles verem o filme ou verem partes do filme e vê-los tão animados com o que tinham acabado de assistir. Nos deixou tão feliz e animados o tempo todo.

Você como produtora no filme e estando tão envolvida como você esteve, o que você aprendeu sobre esta forma de contar histórias e trazê-la para a vida?

AT: Aprendi muito. Aprendi muito sobre adoção. Lembro das vezes em que vi Crepúsculo ou Cinquenta Tons ou Harry Potter e ficar, tipo, eles deixaram partes de fora e como que isso não está aqui?, mas agora faz total sentido pra mim e eu aprendi como contar a história de uma maneira diferente. Nem tudo transmite bem em uma adaptação. Então, eu entendo melhor agora porque as coisas mudam. Eu acho que essa foi a maior lição que eu aprendi. Eu amo ser uma produtora e entendi depois de trabalhar como uma e ter esse curso rápido de como funciona — quero continuar produzindo.

Qual é a sua cena favorita do filme que está no livro?

AT: O lago. É uma das minhas cenas favoritas no livro e é a minha favorita no filme, existe algo na delicadeza da cena e como Hardin está olhando para Tessa e toda a brincadeira. Mesmo que seja um pouco diferente do livro, ainda é a mesma cena assim como soa com a mesma angústia e excitamento entre as coisas que estão acontecendo. Eu amo.

Existe alguma fala do livro que foi parar no filme?

AT: Quando Tessa está fazendo perguntas a ele e questiona quem ele mais ama no mundo. Quando ele diz que a camiseta dele fica melhor nela. Existem tantas coisinhas em todo o filme. Mesmo no livro quando é mencionado a bela bagunça caótica, agora é apenas nós dois somos uma bagunça e ainda assim tem o mesmo significado. Não é tão estranho quando alguém diz, nós adaptamos.

O que as pessoa levarão do filme?

AT: Eu, na verdade, quero que eles sejam entretidos e quero que saiam do filme querendo mais e querendo saber mais dos personagens. A jornada que os personagens estão e continuarão, espero.

Você tem uma ótima relação com nós leitores, existe alguma coisa que você queira nos dizer antes deles verem After?

AT: Apenas aproveitem o filme e sintam orgulho do que fizemos juntos porque se não fosse por vocês, nós não teríamos isso e lembrem-se de que mesmo as coisas que vocês sentirem falta no filme podem sempre ser encontradas nas páginas do livro. Não se esqueçam disso.

O que você aprendeu sobre si mesma enquanto trabalhava em After?

AT: Acho que eu apenas aprendi a me posicionar mais. Eu trabalhei com muitas pessoas, não apenas no filme, mas no meio editorial e acho que porque eles fizeram aquilo antes, eles sabem de tudo e eu aprendi que não é realmente a verdade e é muito divertido lembrá-los de que não é verdade e conversarem comigo da forma certa, realmente aprecio isso.

Matéria publicada por: Biah Frazão
Por Lauren McCarthy (12 de abril de 2019)

Foi um longo caminho para Josephine Langford chegar a Hollywood – cerca de 10 mil quilômetros, mais ou menos, para ser exato, se você estiver contando com a cidade natal de Perth, na Austrália. “Demorou muito, muito tempo [para começar], vindo de uma cidade isolada. Perth não é pesado na indústria, então descobrir como entrar foi difícil ”, disse a mulher de 21 anos. “Eventualmente, descobri o que era um agente dos EUA e, por isso, consegui um agente dos EUA. É aí que tudo começou.” E agora que ela está aqui, ela não irá a lugar nenhum, especialmente se o burburinho em torno de seu último filme – seu primeiro como protagonista – continuar.


Se você não está familiarizado com After, então provavelmente você nasceu antes dos anos 90. A série de romance, escrita por Anna Todd, tem uma história infame: começou originalmente como fan fiction sobre o antigo membro do One Direction, Harry Styles, que Todd escreveu em um aplicativo de blog chamado Wattpad. Desde então, evoluiu para cinco romances e, a partir de sexta-feira, um longa-metragem que, a julgar pelo tamanho de sua base de fãs, pode muito bem ser o próximo Crepúsculo.

Antes de aterrissar na potencialmente protagonista de Tessa Young, a protagonista de After, Langford tinha apenas mais um filme com seu nome, o filme de terror 2017 Wish Upon, (no Brasil 7 Desejos). Mas no caso de você não ter juntado as peças, sua irmã mais velha é Katherine Langford, de 13 Reasons Why (no Brasil Os 13 Porquês), embora Josephine diga que as duas não falam sobre trabalho em casa. “Todo mundo me pergunta isso, e sinceramente a resposta é não”, disse ela. “Não sendo arrogante, mas nós duas sabemos o que estamos fazendo.”

Como qualquer romance bom de adolescente, After gira em torno de algo de um amor proibido entre uma ‘boa menina’ caloura de faculdade e um ‘bad boy’, interpretado por Hero Finnes-Tiffin. O enredo central do filme continua o mesmo, com pequenas atualizações do livro de 2014. Como Langford explicou, “não havia a noção de tentar copiar o livro. O filme é muito diferente do livro. O livro inteiro é da perspectiva dela e quando eu li, eu senti como se entendesse como ela pensava, então eu fiz isso. Eu não tentei copiá-la, mas fiz o que senti ”.

Langford leu o livro pela primeira vez durante o processo de testes, mas ela lembrou que ela pode ter tido um encontro ainda mais cedo com o material de origem. “Isso é tão engraçado”, disse ela. “Então, eu uso muito a Internet – é um grande passatempo meu, apenas navegar na Internet. E você sabe como vai para os cantos escuros profundos? Tenho certeza que me deparei com a fan fiction e li as primeiras cinco páginas. Quando eu estava lendo o livro, eu pensava, ‘Isso tudo é vagamente familiar’. Mas eu não sei ao certo.”

Se fez, certamente não estava sozinha – After já tem uma das mais dedicadas fanbases na Internet (a conta oficial do Instagram para o filme tem quase um milhão de seguidores). “Esses fãs são como o FBI”, disse Langford. “Eu não sei como eles fazem isso. Antes mesmo de anunciar meu casting, comecei a receber seguidores. Um dos produtores do filme curtiu um comentário de alguém dizendo, ‘É essa garota’. E foi assim que eles conseguiram.”

Ainda assim, ela ainda não se envolveu completamente com o fato de que sua vida pode mudar muito depois deste fim de semana – embora ela esteja ciente de que talvez seja hora de confrontar isso. “Ainda não acho que caiu a ficha,” disse ela. “Entrando, éramos constantemente lembrados sobre o tamanho da fanbase, e quão grande isso poderia ser, porque eles realmente queriam que estivéssemos preparados, mas eu não acho que agora eu percebi isso ainda. Não será até que eu veja os fãs. Uma coisa é ver um milhão de pessoas no Instagram seguindo a conta, e outra coisa é ver um milhão de pessoas em pessoa.”

Tradução por Josephine Langford Brasil

Matéria publicada por: Douglas Vasquez

Em parceria com o Fangirlish, entrevistamos o elenco de After, assim também como Anna Todd e a diretora do filme, Jenny Gage! A diretora falou sobre como foi dirigir seu primeiro filme adaptado de um livro, porque escolheu After para trabalhar e como foi esse processo.

Jenny, pode nos contar o que te atraiu para After?

Jenny Gage: Como um cineasta, uma das coisas que me atraem a um projeto é uma voz e história autênticas. É isto o que me atraiu a fazer meu primeiro documentário. E é isto o que me atraiu a fazer After. Eu adoro contar histórias de amadurecimento sexual que são contadas do ponto de vista da mulher. Todas essas coisas são as que sinto que posso apoiar.

O que faz da história de Hardin e Tessa tão importantes de serem contadas?

JG: Acredito que a história dos dois é universal e importante. É sobre amor jovem e como isso pode ser complicado. Não há nunca um caminho fácil — amor jovem. Pode ser bagunçado. Pode ser complicado. No fim do dia, vale a pena abrir o seu coração e explorar aquele amor.

Claro, o livro tem uma fanbase apaixonada. Qual foi o maior desafio ao adaptar um livro que tem uma audiência tão grande?

JG: Eu nunca vi um livro com uma fanbase tão leal e apaixonada. Foi incrível. Existe muita responsabilidade como diretora em garantir que os fãs estejam felizes e também trazer novos fãs para a história. Eu queria ter certeza de que todas as cenas chaves seriam mantidas e que elas realmente fizessem parte do filme. E também queria criar novas cenas que poderiam ser divertidas para todo mundo assistir e apoiar.

Falando sobre essas mudanças, como você escolheu o que ficaria e o que seria cortado assim como todas as cenas que você criou para o filme?

JG: Existem cenas no livro que são tão icônicas que eu senti que não havia como tirá-las do filme. Cenas como a do lago e quando a Tessa encontra o Hardin pela primeira vez em seu quarto no dormitório. E eu queria construir essa história de amor ainda mais, então a cena da biblioteca e a montagem de cenas realmente explora aquele relacionamento.

Consentimento foi algo que perpetuou por todo o relacionamento de Hardin e Tessa. O quão importante é pra você mostrar isso?

JG: Consentimento é muito importante de ser mostrado, como diretora. Esta é a história de um casal de jovens. É sobre o despertar sexual. Consentimento parecia essencial para esse filme. Acho que fizemos de uma forma muito autêntica. Eu me sinto responsável pela audiência jovem que irá assistir ao filme e acho importante falarmos sobre consentimento.

Você teve a Anna no set. Como foi a ter disponível para trocar ideias o tempo todo?

JG: Foi ótimo. Ela esteve lá o tempo inteiro. Não existe ninguém no mundo que conheça esses personagens melhor do que ela. Houveram coisas que mudamos do livro para o filme e foi ótimo tê-la lá para conversar sobre as ideias e explorar novas maneiras de contar a história.

O que você espera que os fãs levem do filme?

JG: Eu espero que os fãs vejam o filme como uma história de amadurecimento e despertar sexual, assim como uma história de primeiro amor. Eu espero que eles vejam a si mesmos no filme. Seja no Hardin ou Tessa ou Molly ou Tristan ou Landon, qualquer um dos personagens. É um elenco incrível e parece muito autêntico e verdadeiro ao tempo.

Falando do elenco, como foi trabalhar com eles?

JG: Escalar o elenco desse filme foi muito importante para mim. Fomos sortudos de ter tido uma diretora de elenco incrível. Eu tive sorte de ter tido uma semana inteira com Hero e Josephine antes de começarmos as filmagens. Nós pudemos explorar os personagens e nos conhecermos melhor. Meu filho amava jogar Fortnite com o Hero quando ele ia para casa aos domingos para lavar suas roupas. Nos tornamos uma família. Eu escalei a Khadijha Red Thunder após um ensaio de fotos que eu estive fazendo na mesma época em que recebi o roteiro. Me senti sortuda de ter sido a primeira diretora da qual ela trabalhou.

Existe alguma cena em particular em que você está ansiosa para que os fãs vejam?

JG: Acho que a minha cena favorita é a mesma de Hero e Josephine. É o lago. Para mim, as performances, a cinematografia, o tom da cena é muito muito querido em meu coração e eu amei a cena no livro também.

Fiquem de olho no After Brasil para todas as entrevistas traduzidas!

Por Janna Johnson O’Toole (8 de abril de 2019)

“Eu entro em um avião em 24 horas e faremos essa tour enorme de um mês na Europa. Vamos visitar vários lugares que nunca fui, então estou muito animada!”, diz Josephine Langford, 21, pelo telefone de Perth, sua cidade natal.

A alegre antecipação de sair para essa aventura é palpável, mas também é palvável as expectativas não ditas. Essa pode ser uma viagem excitante para conhecer novos lugares (Espanha e Portugal estão no topo de sua lista) ou pode ser a viagem que a empurra para novos territórios, de atriz-promissora à estrela central.

A razão por dentro da tour é promover seu novo filme, After, que chega aos cinemas no mundo todo no começo de abril (apesar de termos que esperar até 6 de junho para assistí-lo). Langford interpreta Tessa, a protagonista do livro de Anna Todd, que serviu de base para a adaptação cinematográfica. Um fenômeno na categoria jovem adulto, After vendeu mais de 10 milhões de cópias mundiais, e se tornou número um best-seller na Europa.

“Tinha essa energia na Tessa que eu senti que poderia me conectar – Eu podia entender o jeito que ela pensa,” Langford diz. “Ela têm um diálogo interno que me ajudou muito quando li o livro, tive essa sensação de querer ter certeza que ela não fosse interpretada como uma caricatura de ‘boa menina’. Eu realmente gostei do percurso que ela passa por ser uma jovem mulher explorando sua sexualidade, e essa ser a história, ver as coisas pela sua perspectiva, tinha alguma coisa sobre isso que eu achei muito empoderador e importante.”

Enquanto After vai fazer sucesso entre os millenials, Langford não está planejando o lado lucrativo da sua carreira. “Eu digo que estou lidando com isso,” ela diz, rindo. “Eu não acho que você possa modelar uma carreira, ela só acontece. Eu estou focada em achar personagens com quem me identifico.”

O relacionamento de Langford com o mundo da beleza é igualmente tranquilo. Abençoada pelo combo de juventude e bom genes (sua irmã mais velha é Katherina Langford), a rotina diária dela é básica – “Eu ainda estou na busca por um bom hidratante e protetor solar, mas eu amo protetor labial. Eu tenho pelo menos uns 4 comigo em todos os momentos” – e ela está feliz de aproveitar isso o maior tempo possível. “Eu não senti a pressão da industria para aparecer de um certo jeito – pelo menos não ainda” ela diz. “Quando paparazzis começarem a virar minha realidade, então as coisas mudarão, porque você começa a se conscientizar das fotos”.

Mas ficar em frente às cameras e experimentar diferentes looks de maquiagem é uma oportunidade que deixa Langford feliz. “Se estou fazendo um editorial ou se fazendo shoots, eu vou usar qualquer coisa e fazer qualquer coisa”, ela diz. Diferente de outras estrelas que são protetivas de suas imagens, Langford não foge do olho esfumado ou do batom vermelho para as nossas fotos – ela acrescenta seu lado descolado ao look clássico. “Eu me sinto bem com maquiagem, e me ajuda a criar um personagem. Se estou em uma audição e a personagem é durona, então vou esfumar os olhos – é divertido.”

Até que essa revista chegue às bancas, Langford vai estar terminando sua viagem. Quando e onde ela a terminará continua incerto, mas grandes coisas estão no horizonte e não importa qual seja o destino dela, “A terra, o clima, a família – eu amo tudo isso aqui.”

Tradução por Josephine Langford Brasil.

Nome: After Brasil / Anna Todd Brasil
Online desde: 19 de Junho de 2014
URL: afterbr.com / annatodd.com.br
Webmaster: Douglas Vasquez
Contato: contato@afterbr.com
Versão: 4.0

O After Brasil é a maior fonte sobre a série no Brasil e no mundo; oficializado por Anna Todd e as editoras e distribuidoras parceiras. Todo o conteúdo do site (fotos, notícias, vídeos e etc) pertencem ao site a não ser que seja informado o contrário. Este site foi criado por fãs e para os fãs e não possui nenhum tipo de fins lucrativos.
com

AFTER
Status: Disponível
Direção: Jenny Gage
Roteiro: Susan McMartin

AFTER: Depois da Verdade
Status: Pós-produção
Direção: Roger Kumble
Roteiro: Anna Todd

Design por Douglas Vasquez Codificado por Uni Design
Hospedado por Flaunt Privacy Policy