Entrevista por Mateo Abano para a Mens Fashion Post.

Samuel Larsen alcançou à fama em 2012 como Joe Hart no seriado Glee, mas esse nativo da Califórnia avançou ainda mais no cenário nacional como cantor, compositor e ator nos anos seguintes. Filho de mãe mexicana e pai dinamarquês, ele tem 27 anos e é um artista nato que credita sua criatividade e tenacidade à sua herança mista. Estar exposto a um amplo espectro de cultura parece apenas ter nutrido o lado criativo de Larsen.

Desde sua estréia em Glee, Larsen assumiu papéis coadjuvantes em vários sucessos de bilheteria, incluindo a comédia romântica de Jennifer Aniston, The Breakup Girl, além de filmes de terror como The Remains and Recovery. Mais recentemente, ele interpretou Zed Evans no drama romântico After, baseado em um romance com o mesmo nome. O ator planeja retomar seu papel na próxima sequência.

Amplamente conhecido por suas habilidades de canto e atuação, o jovem astro diz que sua natureza artística é atraída tanto pela música quanto pela atuação, e ele gosta de mesclar os dois aspectos de sua criatividade. Larsen começou a tocar bateria quando criança; hoje ele é o vocalista da banda NEXT CItY, de Los Angeles, que acaba de lançar seus dois primeiros singles, “Blue City” e “Tell Me”, este ano. A banda de rock, que combina um funk estilo de garagem com uma batida de dança, e que acabou de atingir seu objetivo de campanha no Kickstarter para financiar seu álbum de estreia.

O sucesso de Larsen na tela grande rendeu-lhe uma base de fãs global, e os fãs ainda estão descobrindo as profundezas de seu talento musical através da NEXT CItY. Sentamos com ele recentemente para saber mais sobre sua paixão pela música, seu último papel como Zed Evans e o que está por vir para essa sensação de muitos talentos.

Qual interesse surgiu primeiro, atuar ou cantar? Com qual você mais se identifica? Por quê?

Bem, a música veio em primeiro lugar, eu ganhei meu primeiro kit de bateria aos 3 anos e não parei desde então, mas a atuação não veio muito depois, eu tinha um agente e estava fazendo pequenos projetos de atuação aos 8 anos. Quando criança, eu realmente não conseguia entender o lado da rejeição no mundo da atuação, então eu me envolvi mais com a música, gostei do controle que tinha sobre ela, mas como adulto, eu diria que me identifico com ambas, as duas são diferentes lados de mim que se encontra no meio e no final do dia estou apenas atuando seja interpretativo ou criativo.

Com um pai dinamarquês e uma mãe mexicana, como que essas culturas moldaram quem você é hoje? Algo legal/interessante que vem à mente?

Bem, para começar, várias pessoas me disseram que falo com um leve sotaque, já que meus pais têm seus respectivos sotaques. Fora isso no meu lado mexicano, fui exposto e amo mariachis e Luis Miguel, além de frutas picantes ou qualquer coisa de sua culinária. Também tenho muito orgulho de todo o lado “faça você mesmo” da cultura mexicana que minha mãe sempre fazia minhas fantasias de Halloween e meus brinquedos, se ela não pudesse comprá-lo, ela o fazia. No meu lado dinamarquês, eu tenho a mentalidade dos vikings, no início a moralidade dos vikings pode ter sido um pouco falha, mas a tenacidade deles é o que eu mais tiro da cultura, bem como uma espécie de camaradagem com os outros vikings. E também comida dinamarquesa é absolutamente incrível.

Qual é o apoio de seus entes queridos no que você faz? Alguém em particular que o inspirou a seguir essa intensa carreira?

Eu tive todo o apoio que eu poderia pedir à minha família, o simples fato de meus pais terem comprado um pequeno kit de bateria quando eu tinha 3 anos quando eles não tinham condição, mostra o quanto eles acreditavam e me apoiavam. Eles sempre me deram o que eu precisava para aprender e por isso sou eternamente grato.

Você teve tantas experiências diferentes tanto no mundo da música quanto da atuação, o que aprendeu com o processo? Existe alguma experiência, em particular, que foi um momento decisivo na sua carreira?

Oh cara, eu aprendi muito desde que comecei a seguir essa carreira. A principal coisa que aprendi é ser capaz de ouvir as idéias de outras pessoas e dar a elas uma chance sólida, mas ao mesmo tempo ser capaz de manter quem eu sou, ter uma opinião forte é tão importante nesse mercado, é assim que você tem convicção.

Houve alguns momentos decisivos no meu tempo fazendo isso, mas um grande para mim foi perceber, que não importa o tamanho da empresa ou o tamanho do projeto, não tenha medo de fazer o que é certo para você e seu carreira, rodeie-se de pessoas que realmente se importam com o que você está divulgando, e não apenas de pessoas ligadas a um grande nome, pode ser muito ofuscante.

Você sente falta do personagem Joe Hart e/ou Glee como um todo? Algum momento memorável que vem à mente?

Absolutamente foi um grande momento da vida, mas quem não sente falta de ter 20/21? Glee foi um programa tão divertido de se trabalhar e um trabalho que eu procurei por um tempo porque sabia que queria começar em um lugar que tivesse tanto o canto quanto a atuação para que eu pudesse fazer as duas coisas para sempre. Às vezes fico nostálgico, e às vezes gostaria de ter se deixado levar e apreciado alguns dias mais no set, mas no fim das contas, foi um sonho tornado realidade.

O que você mais gostou no Zed Evans?

Zed foi divertido porque eu trouxe o máximo de mim para esse projeto, foi no qual mais me senti eu mesmo em um set. A parte mais agradável foi o quanto todos nós nos tornamos bons amigos, estávamos sempre juntos aproveitando dentro e fora do set, tanto o elenco quanto na equipe, e isso fez com que tudo fosse prazeroso e fez o tempo passar rapido.

De todos os membros do elenco do After, com quem você mais se conectou?

Todo mundo, senti uma conexão especial com todos os atores do filme, acho que todos nós ficamos muito agradecidos e entusiasmados por fazer parte de um projeto com tanta atenção. Eu também fiz amizade com todos os outros produtores, escritores, e especialmente Anna Todd que é a incrivel mente por trás dos livros, todo mundo. Estávamos animados e livres, o que apenas levou a muitos bons momentos.

Existem prazeres culposos que surgem ao desempenhar papéis como o de Zed e/ou outros papéis semelhantes?

De maneira alguma, eu amo interpretar papéis como Zed, mal posso esperar para explorá-lo mais.

Depois que After saiu e com tudo o que aconteceu desde o lançamento, o que tem sido louco por todo esse processo?

OS FÃS! Os fãs estão em outro nível, uma das coisas mais loucas foi quando eu fui a Paris pela primeira vez para me encontrar com Anna (Todd) em uma convenção de romances e vendo todos os fãs gritando por ela e por mim antes deles assistirem o filme, só pela antecipação. Eu nunca estive em Paris e esta é a minha recepção, isso foi incrível.

Zed Evans vai fazer uma aparição em After: Depois da Verdade? Se sim, com o que você está mais animado?

Claro que ele vai! Estou muito animado para continuar contando essa história que as pessoas amam e mergulhar mais fundo no meu personagem, também não posso esperar para poder sair com todos novamente.

Alguma novidade sobre sua carreira musical? O que vem a seguir para Samuel?

Com exceção de After: Depois da Verdade, minha banda NEXT CItY (não é um erro de digitação) acaba de lançar nossos dois primeiros singles e videoclipes, e atualmente está no processo de gravar mais músicas para um EP, além de planejar nossa primeira turnê. Você pode ir no nextcityband.com para ver e ouvir ou obter qualquer notícia sobre isso. Honestamente, estou muito empolgado para filmar mais, fazer mais shows e se apresentar em qualquer chance que tiver, porque é o que me faz mais feliz.

https://twitter.com/AfterBRMidia/status/1173658045257342976

Tradução por Gabi Neve. Revisão por Douglas Vasquez.

Matéria publicada por: Biah Frazão

Na sexta-feira 13 de setembro, a série Inacreditável (Unbelievable) estreou na plataforma de streaming Netflix, com Shane fazendo parte do elenco.

A série conta a história de uma jovem que é acusada de fazer uma falsa denúncia de estupro. Anos depois, duas investigadoras encaram casos extremamente semelhantes. A história inspirada em fatos reais.

Shane Paul McGhie interpreta o personagem Connor, fazendo parte de quatro episódios; 1×01, 1×03, 1×05 e 1×08.

Não deixe de assistir e apoiar Shane em seu novo projeto!

Ao redor do mundo o brasileiro é conhecido como um povo super carismático e criativo (eu ouvi jeitinho brasileiro?); E quem nos acompanha sabe nossa equipe já inventou arte o suficiente para deixar registrado que adoramos abusar da criatividade.

O aniversário do Hero esta chegando — só 2 meses galera!! — e já começamos os preparativos para a festa. Esse ano estamos trazendo dois projetos de aniversário super divertidos, um internacional e outro apenas brasileiro. E pelo nome, acredito que alguns de vocês já perceberam que esse aqui tem a ver com futebol!

Não vou mais enrolar, entendam como vai funcionar o HBBC — Hero Birthday Brazilian Cup — ou Hero Brasileirão para os íntimos.

Queremos diversão e brincadeira. Queremos CRIATIVIDADE. Queremos que vocês gravem um vídeo, ou tirem uma foto, ou CRIEM uma foto (saudacões, Picsart), desejando feliz aniversário para o Hero. O detalhe? Sua foto/vídeo/edit deve envolver futebol! Ao final, vamos compilar tudo num vídeo.

Mas HFTBR, eu não entendi direito. Como assim deve envolver futebol?

Simples. Para vídeo ou foto, grave com a camisa, bandeira ou algo do seu time, em frente à um estádio, dentro de um estádio, com a bola na grama, pode ter plaquinha, pode falar, pode ser editado, contanto que seja algo criativo e feito por VOCÊ! As possibilidades são infinitas.

Agora, atenção às regras:

  1. Vídeos e fotos devem ser horizontais, na dimensão 16:9. Se não estiver assim, vamos fazer o possível para adaptar. Mas caso a gente não consiga, infelizmente não vamos incluir no vídeo;
  2. Em caso de vídeos, estes devem ter no máximo 15 segundos;
  3. É importante que a foto ou vídeo esteja em boa qualidade. Envie-as para o email heroftbrasil@gmail.com com o assunto “HERO BRASILEIRÃO”, ou se preferir, adicione ao seu Google Drive e mande o link do arquivo no email;
  4. Informações que devem conter no corpo do email: seu nome, cidade, estado, nome do estádio (se for o caso);
  5. Vocês tem até dia 25 de Outubro para enviar!

Nossa intenção com esse vídeo é fazer algo divertido, então abusem da criatividade e não meçam esforços para serem engraçadas(os). Sabemos que podemos contar com vocês para dar esse presente para o nosso menino.

Clique aqui para saber como participar do nosso outro projeto de aniversário para o Hero desse ano!

Com novembro chegando, nossa equipe, em parceria com o Hero Fiennes Tiffin Brasil e @hero.ftfans, trazemos para vocês um dos dois projetos de aniversário para o Hero desse ano!

Nesse projeto em questão, queremos mostrar a diversidade de culturas e nacionalidades da fanbase, através das felicitações e também de uma marca já registrada do nosso querido Hero. Então, sem mais delongas, confiram abaixo como funcionará o projeto e como você pode fazer parte:

A ideia é muito simples. Consiste em gravar um vídeo de no máximo 10 segundos, desejando “Feliz Aniversário” para o Hero — na sua língua materna — e então, reproduzir o famoso “Chin Thing”, ou como alguns chamam, “Hero Challenge”. Que nada mais é que aquele movimento adorável que Hero faz com a mão no queixo!

Regras:

  1. Não ultrapassar o limite de 10 segundos do vídeo;
  2. Gravar o vídeo no modo paisagem/horizontal, de preferência sem vibrações;
  3. Enviar seu vídeo para o email hftbrmidia@gmail.com com o assunto “PROJETO DE ANIVERSÁRIO — HERO CHALLENGE”
  4. No corpo do email deve conter: seu país e sua língua. Ex: Brasil, Português.
  5. Enviar o vídeo até dia 25 de Outubro.

É de fundamental importância que vocês sigam as regras para que a gente possa fazer um trabalho bonito. Contamos com a participação de vocês!

Clique aqui para saber como participar do nosso outro projeto desse ano, apenas para brasileiros.

Obs: Não vamos tolerar nenhuma mensagem de ódio, vamos assistir todos os vídeos e garantir isso.


November is coming, and we teamed with Hero Fiennes Tiffin Brasil and @hero.ftfans to bring to you our 1/2 Hero’s Birthday Project for this year.

In this project, we want to show the diversity of cultures and nationalities in the fandom, through Hero’s birthday and also through his “trademark”. No more waiting, check it bellow what is this project and how you can join it!

The idea is very simple: To record a video, with 10 seconds at most, wishing him a Happy Birthday in your native language and then you do the “chin thing” also known as “Hero Challenge”. Yeah, that sweet thing he does with his hand on his chin!

Rules:

  1. Don’t exceed the 10 seconds limit;
  2. Record the video on horizontal/Landscape mode, preferably without movement;
  3. Sent your video addressed to hftbrmidia@gmail.com and with “BIRTHDAY PROJECT — HERO CHALLENGE” as the subject;
  4. On the email’s body you must inform your country and your native language. Ex: Mexico, Spanish; Canada, French/English (the one you wished Happy Birthday). Inform it in English;
  5. You have until October 25 to send the video.

We count on you to follow the rules, so we can make this beautiful gift for Hero! Call your friends and join us!

P.S.: No hate will be allowed. We’ll watch every video and make it sure.

Matéria publicada por: Cínthia Demaria

Na semana passada perguntei no Instagram do @afternodiva o que os leitores gostariam de dizer à Tessa se tivessem a chance de fazer uma única pergunta. Reuni algumas dúvidas e selecionei alguns comentários para que eu pudesse tentar discorrer neste texto. A proposta não é trazer ‘qual seria a resposta de Tessa’, até porque esse papel caberia apenas a Anna Todd, mas por aqui me atenho às análises a partir do contexto que temos conhecimento.

Não custa lembrar que este texto contém spoilers. Portanto, se você ainda não leu toda a série After, deixe o link salvo para voltar aqui quando tiver terminado. 🙂

1. O que é o amor para Tessa Young?

Vamos começar por esta, que parece ser a pergunta mais “fácil” de ser respondida, mas que na verdade é a mais complexa. Por mais que possa parecer que Tessa se entrega completamente (e talvez até cegamente) ao amor, no decorrer da história vemos que não se trata de um conto de fadas, e para ela, o amor nem sempre foi sinônimo de romance ou de felicidade. Ao meu ver, o amor para Tessa tem sentidos múltiplos: dor, angústia, amadurecimento, autoconhecimento e prazer. É sinônimo de medo, de perda, de submissão aos desejos de um outro por algum momento, mas é também mola propulsora de um empoderamento que fará ela amar a si mesma antes de todas as coisas. É amando um outro que Tessa irá perceber que só poderia ser feliz se amasse a si própria. O amor para Tessa, na minha opinião, é um reflexo no espelho de que a confiança é o que a faz afastar do que lhe faz mal. Sempre que alguém tentava decidir por ela o que deveria fazer, havia dor: sua mãe, Hardin, os seus ‘colegas’ de faculdade etc. E quando percebeu que amor não é sinônimo de submissão nem sobre se sujeitar a um desejo de um outro, mas que ela também poderia SER e DESEJAR, que pôde então ser feliz e partilhar com alguém sobre os prazeres da vida.

2. Se pudesse mudar alguma coisa do passado, será que Tessa mudaria?

Penso que talvez Tessa não mudaria nada. O que seria do seu amor se não pudesse conhecer a dor? Talvez ela quisesse ter acelerado o processo de amadurecimento, mas o que Anna nos mostra é que não é assim, alterando um comportamento como em uma fórmula mágica, que as coisas mudam. É um processo, uma escolha subjetiva, inconsciente, que a faz distanciar de seus valores enraizados. Costumo dizer que alterar um comportamento ou ouvir um conselho como “afaste-se dele” é muito fácil e bonito, se não tivesse nenhum sujeito por trás disso. Seguir um conselho não é tão simples quando o sujeito está ali também desejando, pois não há nada mais complexo do que afastar-se do próprio gozo. Se fosse fácil, ninguém erraria, não é mesmo?

3. O que Tessa pensava enquanto conhecia os traumas de Hardin?

Entendo que conhecendo Hardin, Tessa começou a ficar cada vez mais forte. A medida em que o papel do “cara intocável” vai caindo, ela vai percebendo qual é o tamanho da sua força. O que a fazia submissa a ele no princípio deixa de fazer sentido a partir do momento em que a ‘vida real’ vai tomando forma. Se antes ele estava em um papel do ‘ídolo indecifrável’, com a revelação dos traumas, ele vai se tornando um ser humano comum, frágil, cheio de furos, como a Tessa, como eu e como você. Além da curiosidade da personagem, a revelação de quem é o amado, para além do sujeito que se ama, a faz ficar com ele, e de maneira cada vez mais intensa.

4. Você acha que as pessoas realmente tem o poder de mudar as outras? Com tudo o que passou com Hardin, você acha que em outros casos, o amor por alguém pode sempre superar tudo?

Essa é uma boa pergunta para se fazer para Tessa, sem dúvida. De qualquer forma, no meu ponto de vista, não acho que foi ela quem mudou Hardin não. Acredito que ela tenha sido o meio, e talvez a principal motivação para que ele enfrentasse os fantasmas do seu passado, mas não foi ela a causa da mudança especificamente. O que ela faz com Hardin é quase o papel do analista, de colocar ele pra falar dos seus traumas, encarar de frente os seus problemas e dar lugar à palavra ao invés de atos (como ele sempre fez na vida). É por isso que ele muda. Ninguém muda ninguém. O que o amor de Tessa faz é colocar Hardin a trabalho. Quando ele consegue girar o discurso do ódio com a sua família e consigo mesmo, é que ele tem a chance de ser diferente.

5. Porque Tessa desiste de se casar ‘oficialmente’ com Hardin?

Várias pessoas já fizeram essa pergunta pra mim, inclusive. E essa é a grande virada do livro, ao meu ver. A sacada de Anna Todd é justamente passar a mensagem de que não existe conto de fadas e que as pessoas mudam e estão sim dispostas a abrir mão dos seus rótulos, do que acreditaram cegamente toda a vida que seria a felicidade. Tessa amadurece a ponto de dar conta de bancar suas novas escolhas: a nova profissão, um relacionamento mais maduro com a mãe e um romance fora do rótulo que sempre criou pra si. Quando ela não se casa oficialmente com Hardin revela de forma clara que o foco é ser feliz, na vida real, mesmo com todos os problemas, e não seguir os rótulos que a sociedade impõe do que é ou não ideal.

E você, o que acha destas que seriam possíveis ‘respostas’ aos questionamentos feitos à Tessa? Conte pra gente nos comentários.




Nome: After Brasil / Anna Todd Brasil
Online desde: 19 de Junho de 2014
URL: afterbr.com / annatodd.com.br
Webmaster: Douglas Vasquez
Contato: contato@afterbr.com
Versão: 4.0

O After Brasil é a maior fonte sobre a série no Brasil e no mundo; oficializado por Anna Todd e as editoras e distribuidoras parceiras. Todo o conteúdo do site (fotos, notícias, vídeos e etc) pertencem ao site a não ser que seja informado o contrário. Este site foi criado por fãs e para os fãs e não possui nenhum tipo de fins lucrativos.
com

AFTER
Status: Disponível
Direção: Jenny Gage
Roteiro: Susan McMartin

AFTER: Depois da Verdade
Status: Pós-produção
Direção: Roger Kumble
Roteiro: Anna Todd

Design por Douglas Vasquez Codificado por Uni Design
Hospedado por Flaunt Privacy Policy