Sejam bem vindos ao After Brasil | A sua primeira , maior e melhor fonte sobre os livros da escritora Anna Todd no Brasil
After no Divã #28 | 3 motivos que fazem a leitura de After ser irresistível
POSTADO POR Cínthia Demaria EM 22.Aug ARQUIVADO EM:Colunas

Transitando pelos perfis de After é fácil perceber, pelos relatos de fãs, como a leitura de toda a série é rápida. A própria Josephine Langford (atriz que interpreta a Tessa no longa metragem) admitiu ler em tempo recorde todos os livros antes de começar as gravações. E porque a leitura é tão cativante? É óbvio que a narrativa é leve e instigante, mas há também outros fatores que fazem com que a história fique ainda mais interessante para o público. Como esta é uma coluna que fala sobre emoções, é claro que será a partir delas que iremos prosseguir. 🙂

Vale lembrar que a estrutura da escrita e o roteiro são, de fato, os fatores principais de audiência. Não adianta ter uma história boa se não puder contá-la de forma tão agradável. E Anna Todd faz isso brilhantemente. Todavia, há questões conscientes e inconscientes que faz com que a leitura individual de cada um transforme esta publicação em um aglomerado de admiradores ao redor do mundo. Vamos a elas:

  1. Identificação com os personagens 

Este pra mim é o principal. Dentre todas as pessoas que leram After até o final (mesmo as que não gostaram do resultado), sem dúvida alguma se identificaram a algum personagem ou situação. Basta a metade do primeiro livro para você já se reconhecer em alguém ou reconhecer em algum personagem, uma relação que você já tenha vivido (de amizade, de amor, de família, de faculdade…). Esse pra mim é o grande “segredo de sucesso” deste livro. A riqueza de detalhes exposta por Anna capta perfeitamente o leitor por alguma característica, nem que seja por uma contra identificação. Se a história te lembrou algum momento da sua vida ou de alguém próximo à você, acredite, você foi capturado nesse primeiro tópico da lista.

2. Sensibilidade e exploração de emoções

Se você não se encontrou no primeiro tópico, sem dúvida vai se encontrar neste. Se você tiver lido After até o fim e não se identificou a nenhum personagem, é porque se identificou a alguma sensação/situação. Não é preciso ser parecido com Tessa para se lembrar de amores improváveis, experiências sexuais, relacionamento com os pais, com amigos, com estudos etc. Já vi relatos de várias pessoas dizendo que só ficaram na leitura para ver como a personagem principal iria sair das situações. Nem que seja pela esperança de ver uma mulher mais empoderada, capaz de tomar as suas próprias decisões, você que leu até o fim, ficou pra ver.

Sobre as emoções, nem preciso dizer que são as maiores ofertas desta obra, não é? O leitor vai de ódio ao amor em menos de dez páginas corridas. E esse é um ponto fundamental da história: ela cria expectativa, frustra, devolve em alegria, para então começar tudo de novo. É como se After replicasse a montanha russa de novos relacionamentos, em que o leitor nunca sabe o que esperar, mas que quer desesperadamente descobrir onde vai dar.

3. Explorar o inexplorável

Há um fato fundamental em After que se chama: novidade. Tudo é novo pra Tessa, pra Hardin e pra família de ambos. Onde isso vai dar? Como eles vão reagir a isso? Será que vão conseguir sair disso? Tudo é novo. Não há nenhuma sensação que seja corriqueira. E não é isso que desperta os instintos jovens ávidos de curiosidade?

A graça está justamente nas palavras: “não fazemos ideia do que esperar, porque nunca saberemos o que pode acontecer”. O livro termina com um final tranquilo, o que indica que ele devesse mesmo terminar, porque o leitor que chegou até ali chegou pelo fator da novidade. After replica algo muito interessante das grandes histórias, especialmente a de “Alice no país das maravilhas”, onde tudo é novidade. Toda hora é um acontecimento novo, que ela nunca sabe como foi parar ali, mas de repente está, e é ali que se descobre, se renova, cria novos laços e novos ciclos. E não é isso uma delicia de ler? O frio na barriga despertado pela leitura de Anna é muito semelhante ao de Alice – sempre quis compartilhar essa impressão com alguém, e aqui estou eu explanando.  

Bom, poderia enumerar pelo menos mais uns dez tópicos que fazem da leitura de Anna Todd irresistível, mas esses são pra mim, os principais. E para você? Você se identifica a algum deles?

LAYOUT POR : MELISSA S. & GABRIELA G. • SOME RIGHTS RESERVED AFTER BRASIL • HOSTED: FLAUNT.NU
COM